Transbandeiras, 2010

 

“Transbandeiras da artista brasileira Dália Rosenthal, propõe as transcrições formais e cromáticas nos encontros e convívios de imagens simbólicas por meio de um conceito pictórico: a fusão de matizes. Uma bandeira comum para America Latina é concebida como mistura de cor e movimento. O sentido rotacional de todos os símbolos revela-se como pintura digital em linguagem videografica”.

 

[1] Cohen, Rosa, Transfronteiras Contemporâneas, Catálogo de Exposição, Memorial da América

 

O trabalho Transbandeiras (ATO I) apresenta em vídeo projeção uma “bandeira digital em movimento” formada pela integração digital de todas as bandeiras da América Latina na busca de uma panorâmica comum com seus símbolos em um fluxo rotacional constante que agrega todos os países envolvidos. Este trabalho foi exposto na mostra Transfronteiras Contemporâneas realizada na cidade de São Paulo, Galeria Marta Traba, Memorial da América Latina entre Setembro e Outubro de 2010. A mostra comemorava o bicentenário da Independência na América Latina e teve curadoria de Ângela Barbour, Fernando Calvozo e Rosa Cohen.

Crepúsculo, Ato II, 2010

 

 

Crepúsculos apresenta a integração de imagens da passagem do céu do entardecer para o anoitecer. Com a proposta de uma vídeo-pintura, as imagens deste vídeo nos mostra uma única matriz rotacionada em diferentes velocidades.

Travessia, 2008. 
 

Travessia, apresenta uma sequência de imagens de um mergulho no mar. O vídeo, feito sem cortes busca documentar uma experiência de mar, uma observação não visual, mas sim, sensorial da paisagem. Aqui, a materialidade do oceano é dissolvida para dar lugar a um fluxo substancial que nos envolve a partir da ação de imersão.

Da Passagem, 2005.
 

Priscila Sacchettin            

 

"Dois trabalhos muito opostos. É o que pensamos ao ver a exposição “Da Passagem”, por Dália Rosenthal e Murilo Kammer, composta por fotografias derivadas de dois trabalhos em vídeo. Apesar de dividirem um formato (vídeo/foto), é o contraste entre as duas obras que primeiramente nos chama a atenção. Dália nos mostra o vídeo “Para dizer que sim”, realizado durante viagem feita com amigos. Reunidos ao redor de uma mesa, convivem como tantas outras vezes, até que, um pouco por acaso, um deles, músico, começa a flautear uma música de Pixinguinha. Dália liga a câmera e captura um momento de convergência espontânea: aos poucos, o som da flauta envolve as pessoas, que respondem a essa espécie de convite improvisando uma dança ou cantando. Nessas imagens a luz é pouca, a presença humana é constante e a música acompanha todo o vídeo (e podemos supô-la mesmo nas fotos)".